29/09/2009

Dicas de pesca em pesque e pagues

Quer pescar e não pode sair da cidade? É época de piracema e você está doido por uma boa pescaria?

S6301041 Uma boa alternativa são os pesque-e-pagues. Além de serem bem mais próximos das grande cidades e possuírem ótima infra-estrutura, estes oferecem uma grande variedade de peixes e em diversos tamanhos.

É óbvio que uma pescaria de verdade em meio a natureza lhe dá muito mais emoção além do fator surpresa que é você nunca ter certeza do que pescou. Porém um pesque e pague também pode lhe proporcionar grandes momentos de emoção ao pescar belos exemplares.  E se você acha que no pesque e pague é tudo mais fácil e não é preciso nem saber pescar você está enganado. Mesmo em tanques os peixes desenvolvem hábitos e o desconhecimento de pequenos detalhes pode transformar sua pescaria em um completo fiasco. Esta matéria reune uma seleção das melhores dicas para obter uma pescaria de sucesso em pesque e pagues. Algumas das dicas podem ser também muito úteis também em pescarias em rio. Vale a pena conferir!!!   

1. Estudo da área
          Como em qualquer pescaria, primeiro você tem de  saber  quais as  espécies que podem ser encontradas no  local e, daí, partir  para  o  peixe desejado. Cada  espécie  terá   uma   isca   mais apropriada,  tralha  correta  e  horários propícios para se obter êxito na captura.


2. O truque da ceva
          Os exemplares maiores,  mais  desconfiados, demoram um pouco mais para chegar no tumulto. Por isso, procure cevar para atrair os pequenos e aguarde um pouco antes de lançar a isca. Quando perceber grandes rebojos, é a hora certa do arremesso.


3. Comida pronta
          Ração de peixe, cachorro e gato valem como isca. Se não tiver furo, utilize um furador para perfurar e assim facilitar sua acomodação no anzol. Normalmente passamos duas a três iscas com furo e travamos a saída, fixando uma terceira ração na ponta do anzolo. Antes de iscar: procure deixar a ração na água uns três minutos para amolecer e ficar no ponto.


4. Comida viva
          Iscas naturais como grilo, bichos de pão e da laranja, minhoca, escargots e minhocuçus também podem ser utilizados. Mas deixe para comprar no local. Assim, sempre os terá bem vivos e saudáveis - diferencial básico para atrair o peixe.


5. Hora do lanche
          Queijo, mortandela e pedaços de salsicha completam o arsenal de iscas. O queijo é mais indicado para os grandes redondos (pacu, tambacu, tambaqui, tambatinga…). A salsicha, para matrinxãs, piaus e dourados. Para eles tenha um empate de aço, se não, a chance de ver sua linha cortada é grande. Mortadela cai no gosto dos catfishes e dos peixes de couro.


6. Tilápia gigante
          Para capturar seu grande exemplar de tilápia, procure utilizar uma massa mais doce ou bichinhos de pão. Utilize o apoiador para seu conforto e mantenha a linha sempre esticada para perceber qualquer movimento.


7. O truque das tilapinhas
          Quando há muitas tilápias pequenas roubando iscas, isque uma pequena tira de fígado e faça uma camada de massa em volta. As tilapinhas irão comer a massa, deixando o fígado para o exemplar maior.


8. Para fisgar redondos
          Grandes redondos podem ser capturados com pedaços generosos de pão francês e até nozes. Estes peixes preferem os dias quentes do verão. No inverno, diminuem sua atividade, ficando imóveis no fundo sem comer. Mas se o lago for fundo e a espécie encontrar uma temperatura agradável, vale iscar no fundo para tentar sua captura. Frutas como goiaba, acerola, pitanga ou coquinho também entram na lista de iscas. Mas não se esqueça de colocar um bom empate de aço (rabicho ou castor) para preservar a linha dos dentes fortes desses peixes.


9. Peixe vivo para os bichos de couro
          Pintados e outros grandes peixes de couro preferem pequenos peixes vivos como iscas. Mas o melhor mesmo é fazer um bolo de minhoca ou minhocuçu e deixar lá no fundo. Mas vá com uma vara adequada para o tamanho do bicho. Fígado de boi ou coração de galinha também funcionam como isca.


10. Doce artimanha
          Para envenenar sua isca, saiba que os grandes redondos preferem massa com cheiro forte, assim, o ideal é acrescentar queijo e retirar o ingrediente doce. Para tilápia, troque o queijo pelo açúcar. Vale acrescentar groselha ou essência de frutas como maracujá e laranja.


11. Mão na massa
         Para facilitar a vida do pescador, há uma grande variedade de marcas de massas para todos os gostos e espécies de peixes. Elas já vêm prontas para serem usadas, bastando apenas moldar no tamanho desejado. Outras vêm em potes ou embalagens plásticas, faltando adicionar água para dar liga. Acrescente apenas o suficiente para poder moldar e não aperte sobre o anzol. Apenas direcione o anzol para o meio da isca e encaixe. Se perceber que a massa está caindo no lançamento, dê mais liga - banana amassada resolve o problema.


12. Técnica certa de inverno
          Na época de frio, direcione sua pescaria para os peixes mais acostumados com essa condição, como os catfishes, carpas e tilápias. Estas espécies não cessam sua atividade alimentar, apenas a reduzem em alguns períodos do dia. Mas isso não quer dizer que não seja possível capturar um pacu utilizando iscas no fundo.


13. Tempo quente, pesca também
          No verão, quando os peixes comem bem, fuja das áreas mais movimentadas do lago. O peixe não escuta, mas sente a vibração que é transmitida pela água. Falar nas margens pode, mas correria assusta o peixe, que acaba se concentrando no centro do lago. Nesse caso, se estiver utilizando uma bóia, posicione sua isca perto da superfície, junto aos rebojos. Se estiver pescando no fundo, arremesse também para esse local.

14. Peixão na mão: e agora ?
          Para tirar o seu troféu da água, faça uso de um passaguá. Se não for levar o peixe, procure manuseá-lo com cuidado e segurança no menor tempo possível. Lembre-se que quando sai um peixe grande, além da trocida habitual contra ou a favor, o dono do estabelecimento também fica de olho para ver o tratamento dispensado ao peixe.


15. Rode o peixe
          Os grandes redondos ficam mais calmos de cabeça para baixo. Para tirar a foto, procure acomodá-lo nesta posição. Mas atenção: não faça uso de pano, apenas molhe as mãos. Outro ponto importante é procurar manter o peixe sempre na horizontal para não prejudicar seus órgãos internos. Carpas têm a boca frágil, assim, procure não utilizar os alicates de contenção (com balança), que podem estourar a boca dessas espécies.

 

16. Cuidado com o espinho
          Tilápias podem ser retiradas da água, segurando-as firmemente na parte de baixo da boca. As grandes merecem mais atenção - cuidado com os espinhos do dorso. Um alicate de contenção resolve o problema com segurança, sem ser preciso tocar no peixe.


17. No bambú
          Somente na varinha de mão, procure posicioná-la junto da entrada ou saída de água doce do lago. Na entrada, a oxigenação é das melhores devido à movimentação. Na saída, é para onde vai parar a ração flutuante lançada no lago. Por isso, os peixes costumam se concentrar por ali. Utilizando pequenas bóias você pode posicionar sua isca na altura desejada - se for fundo, elimine a bóia. Vale lembrar que onde tem peixe pequeno, os grandões estão sempre na espreita.


18. Bóia certa
          Os pescadores de carpa cabeçuda utilizam no mínimo dois conjuntos com bóia para capturá-las. Primeiro, localizam a profundidade onde estão em atividade, que pode variar durante o dia, e depois direcionam suas iscas para lá. O conjunto precisa ser bem dimencionado, uma vez que esses peixes vão de 7 a 25 Kg. Cada pescador tem sua massa preferida, mas a base é batata cozida, amendoim moído (paçoca) e banana para dar liga. Colocar mel ou açúcar é um atrativo a mais.


19. Hora boa
          As melhores capturas nos pesque-pagues se dão de manhã ou no fim da tarde. A claridade e o calor forte do meio dia fazem os peixes irem um pouco mais para o fundo. Por isso, dias nublados podem render mais capturas. Alguns estabelecimentos funcionam também para pescarias noturnas onde pode-se capturar os grandes redondos e peixes de couro. Neste horário, devido ao pouco movimento, os peixes não ficam assustados
e encostam mais perto da margem. Fique atento nessa área.


20. Vai chover ?
          Excelente... Nuvens escuras e de chuva forte no ar? Fique atento e preparado porque um pouco antes de cair o temporal, os peixes vão comer como loucos. Também logo depois da passagem da chuva é boa hora para voltar a tentar.


21. Choveu ? O que fazer ?
          Durante o período que estiver chovendo, opte pela meia-água ou fundo. Na meia-água, coloque bóias coloridas para melhorar a visualização. Devido à chuva, os peixes tendem a descer até encontrar uma zona de temperatura confortável. Raios e trovoadas, atenção, as varas atuam como para-raios - pare imediatamente a pescaria.


22. Olho na linha
          Se o local for livre de estruturas como galhadas, monofilamento de 10 a 20 lbs no molinete ou carretilha, completando com líder de 20 lbs. Um pequeno empate (rabicho ou castor) ajuda nos peixes com dentição. Para pacus ou peixes de couro, linha 15 lbs, com empate de aço.


23. Plugs e spinners
          Utilizando iscas artificiais, a fisgada tem de ser rápida. O peixe percebe a artimanha e larga a isca fajuta. Pequenos plugs ou spinners rendem bem.


24. Qual é a ceva ?
          Com pescaria direcionada para o fundo, utilize ração de coelho ou ração de peixe moída misturada com quirera ou milho. Para quem pesca na meia-água, use ração flutuante.


25. Trio eficiência
          Bóias cevadeiras aumentam as chances de fisgada, uma vez que permitem que a isca fique nas proximidades da ceva liberada. O conjunto - aroma, formato e movimento - faz a diferença num lago onde o peixe tem várias opções.


26. Aperte o molinete
          Ao utilizar molinete ou carretilha, procure deixar a fricção quase fechada, só abrindo caso sinta que o peixão é maior do que esperava. A linha muito solta demora para cansar o peixe, além de permitir que ele passeie pelo lago - o que pode significar linha embaraçada com a dos outros pescadores.


27. Cuidado no fly
          Na pesca de fly, atenção com os outros pescadores, principalmente com as crianças que aparecem do nada. Lugares afastados são mais seguros.


28. Material básico
          Não esqueça do boné e óculos escuros. A cadeira de praia dá mais conforto na pesca com isca natural.


29. Tralha completa
          Tenha sempre um alicate trava peixe e um alicate de bico para retirar o anzol da boca do peixe. Apoiadores complementam sua tralha. Se quiser saber o peso, tenha na mão o alicate de contenção com balança - mas não faça uso deste para os peixes de bocas frágeis, como as carpas.


30. A chumbada
          Aqui não há mistério: chumbos oliva de vários tamanhos e os pequenos de amassar são os melhores. Anzóis de vários tamanhos, enfim, completam seu estojo de pesca.

Dicas extraídas da Revista Pesca Esportiva (Nº 97).

S6301046

Então ai estão as dicas, agora é com você, não se esqueça de mandar para nós os resultados!!!

Um comentário:

  1. ótimo post.
    O que acha dessa carretilha? http://www.tucunarepesca.com.br/shimano17
    Já usou essa marcA?

    ResponderExcluir